31.5.06

Timor-Leste: textos importantes

Díli, 30 Mai (Lusa) - A GNR é a única força policial que pode impedir que o caos continue em Timor-Leste, disse hoje à Lusa o tenente-coronel Filomeno Paixão, oficial de ligação entre as Forças Armadas timorenses e os militares australianos."É urgente e necessário que a GNR venha depressa. Ouvi dizer que vinham sexta-feira, mas receio que então já não haja casas para queimar e pessoas para matar", afirmou Filomeno Paixão.Defensor de uma actuação "firme e decidida" para enfrentar "este tipo de vandalismo", o tenente-coronel Filomeno Paixão reconheceu que a polícia timorense "ficou destruída" na sequência da crise político-institucional que afecta o país."Nada podemos esperar da nossa polícia, que foi destruída a 75 por cento", acrescentou.As autoridades timorenses solicitaram a Portugal o envio de uma companhia (120 militares) da GNR para Timor-Leste para manter a ordem pública, após confrontos em Díli nas últimas semanas que provocaram vários mortos e de uma onda de pilhagem e destruição de habitações e edifícios públicos.O ministro de Estado e da Administração Interna português, António Costa, garantiu segunda-feira que os 120 elementos da GNR que vão para Timor-Leste já estão "em estado de prontidão" e partirão ainda esta semana se existir transporte aéreo disponível.