31.5.06

Timor-Leste: textos importantes

Bento 16 pede paz e volta à normalidade no Timor Leste
da Efe, na Cidade do Vaticano
O papa Bento 16 fez hoje uma chamada à pacificação e volta à normalidade no Timor Leste, e pediu que a Igreja Católica ajude os desalojados.O pontífice fez o apelo no final da audiência pública das quartas-feiras, que celebrou na praça de São Pedro e que teve a presença de cerca de 35 mil pessoas.O papa disse que seu pensamento está com o Timor Leste, "que nestas dias sofre tensões e violências que causaram vítimas e destruição".Após pedir que a igreja local e as organizações católicas a continuem com a ajuda aos evacuados, junto com outras organizações internacionais, o papa pediu à Virgem Maria que proteja "os esforços de todos que estão contribuindo para a pacificação dos ânimos e para a volta da normalidade" no Timor Leste. Bento 16 pediu ainda a homens e mulheres que "não se esqueçam de Auschwitz" e das "outras fábricas da morte" em que o regime nazista "tentou eliminar Deus para ficar no seu lugar".O papa lembrou sua recente viagem à Polônia, onde seguiu o exemplo de João Paulo 2º e visitou os campos de extermínio nazistas de Auschwitz e Birkenau, perto de Cracóvia.NazismoBento 16 condenou duramente o nazismo e disse que os cristãos devem testemunhar o Evangelho "para evitar" que o terceiro milênio venha a conhecer horrores como os de Auschwitz e Birkenau."Naqueles lugares tristemente conhecidos no mundo todo, como em outros campos semelhantes, Hitler mandou exterminar milhões de judeus. Em Auschwitz e Birkenau, morreram cerca de 150 mil poloneses e dezenas de milhares de homens de outras nações. Diante do horror desses campos, não há outra resposta a não ser a Cruz de Cristo", disse."Que a humanidade não esqueça Auschwitz e as outras fábricas da morte nas quais o regime nazista tentou eliminar Deus e tomar seu lugar. Que não ceda à tentação do ódio racial, que é a origem das piores formas de anti-semitismo", clamou o papa.Bento 16 pediu também que os homens reconheçam Deus como o Pai "que chama todos nós para construirmos juntos um mundo de justiça, de verdade e de paz".