8.8.06

Sobre as línguas oficiais de Timor-Leste

via Timor Online
Prof. Dr. Geoffrey Hull (Universidadede Western Sydney - Austrália)
Parece-me que o papel central da língua portuguesa na civilização timorense é completamente inquestionável. Em poucas palavras, se Timor-Leste deseja manter uma relação com o seu passado, deve manter o português. Se escolher outra via, um povo com uma longa memória tornar-se-á numa nação de amnésicos, e Timor-Leste sofrerá o mesmo destino que todos os países que, voltando as costas ao seu passado, têm privado os seus cidadãos do conhecimento das línguas que desempenharam um papel fulcral na génese da cultura nacional.
Parece axiomático que o conhecimento do passado duma nação seja uma condição prévia para a construção de um futuro próspero, mas estamos num tempo materialista em que a procura agressiva de poder económico ameaça seriamente as instituições bem como aqueles valores tradicionais que ainda não foram destruídos. É importante que os seres humanos tenham presente que um poder económico que os diminui espiritual, intelectual e culturalmente é na realidade uma forma de tirania.
Receio que considerações de carácter materialista tenham inspirado, pelo menos em parte, o súbito movimento em Timor-Leste para a promoção do inglês como língua co-oficial. Neste momento parece haver uma certa corrente popular que identifica a língua inglesa como a única chave da tão desejada prosperidade económica. O que me parece que não é tido em conta é a considerável ameaça que o inglês pode representar para a integridade cultural de Timor-Leste.
Os linguístas referem-se frequentemente à língua inglesa como uma língua "assassina", uma língua imperialista, que na história mundial tem mais do que qualquer outra, a triste fama de levar outras línguas à extinção.Parece claro que o tétum seria um parceiro muito inferior e ameaçado num eventual binómio com o inglês. As perspectivas para a sobrevivência e o desenvolvimento do tétum são mais animadoras num contexto de relação contínua com o português, que é a sua fonte tradicional para a ampliação e a renovação do léxico.