7.9.06

Timor-Leste: GNR interessada em continuar a integrar missões de paz da ONU

Díli, 06 Set (Lusa) - A Guarda Nacional Republicana está interessada em continuar a integrar missões de paz, opção que representa um dos vectores da po lítica externa portuguesa, afirmou hoje em Díli o comandante-geral da GNR, gener al Mourato Nunes.
Aquele oficial falava à imprensa depois de visitar as novas instalações do contingente militar da GNR, no que foi o primeiro acto da sua visita de trab alho de três dias a Timor-Leste, onde chegou hoje."
A GNR está muito interessada em integrar missões internacionais de paz , e esta é também uma forma de contribuir, de uma forma significativa, para o qu e consideramos ser um dos vectores mais fundamentais da política externa de Portugal e que é integrar este tipo de missões", afirmou.Antes de deixar Timor-Leste, na próxima sexta-feira, o general Mourato Nunes reunir-se-á com o Presidente timorense, Xanana Gusmão, o ministro do Interior, Alcino Barris, e o representante especial do secretário-geral da ONU em Díl i, Sukehiro Hasegawa.
O encontro inicialmente previsto com o primeiro-ministro José Ramos-Hor ta, foi anulado devido à visita oficial que o chefe do Governo timorense iniciou hoje à Noruega.O novo quartel da GNR, onde estava sedeado o Centro de Estudos Aduaneiros da Alfândega timorense, foi recuperado ao longo dos últimos três meses, e per mite reunir todo o contingente e o respectivo equipamento num único espaço, deix ando definitivamente o Hotel Díli 2001, onde se instalou à chegada em Junho pass ado.
Com dois pisos e uma área anexa de grandes dimensões, a GNR terá no novo quartel, no bairro de Caicoli, espaço para instalar todo o contingente, material e serviços de apoio e disporá ainda de espaços anexos necessários a missões p rolongadas, como um ginásio (ainda por construir), pontos individuais de Interne t e sala de convívio totalmente construída com materiais reaproveitados.
Desde 04 de Junho, a GNR mantém um contingente de 127 militares no país que, juntamente com efectivos da polícia malaia, integra desde 25 de Agosto, a força policial da actual Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT).
Esta é a segunda vez que a equipa de operações especiais da GNR actua e m Timor-Leste, depois de uma missão de dimensão idêntica ter estado no territóri o, entre Fevereiro de 2000 e Junho de 2002, ao serviço das Nações Unidas.A presença actual deveu-se a um pedido formalizado pelas autoridades ti morenses a Portugal, Austrália, Nova Zelândia e Malásia para o envio de forças m ilitares e policiais para apoiar na restauração da lei e ordem em Díli, na sequê ncia da onda de violência desencadeada em Abril passado.
Ao longo deste segundo período, os militares da GNR já realizaram 498 p atrulhas, que totalizam 1.912 horas de serviço e em que foram percorridos 106.28 0 quilómetros.
O trabalho de manutenção da ordem pública reflectiu-se já na detenção d e 81 indivíduos e na identificação de outros 231, na elaboração de 32 autos de n otícia para os tribunais, na realização de 13 buscas a residências e na recupera ção de 12 viaturas roubadas, maioritariamente pertencentes ao Estado timorense.
No decurso da missão, os militares da GNR apreenderam milhares de armas de guerra e tradicionais, munições de vários calibres e diverso equipamento mil itar, incluindo rádios de transmissões.
EL.
Lusa/Fim